!DOCTYPE html> insert_pixel_code_here Fazendo uma Camisa Vintage Biene

Fazendo uma Camisa Vintage Biene

Recebemos a Jornalista,YouTuber e Cicloativista Renata Falzoni e Bordamos uma Camisa especialmente para ela participar do Giro Vecchio em Santo A. do Pinhal. Confira o vídeo!

Foi num dia daqueles chuvosos de verão no início de 2019 que recebemos Renata Falzoni, uma incansável CicloAtivista que luta diariamente para que as bicicletas tenham o seu devido lugar na Mobilidade Urbana Brasileira, e que os Ciclistas sejam mais respeitados. Foi um bate-papo divertido com a presença do Paulinho de Tarso (Sampa Bikers), com direito a uma pausa para o café, tudo isso para mostrar como a Biene está resgatando uma tecnologia Old School, "ressuscitando" as Camisas Vintage de Ciclismo, aquelas que vestiram as lendas como Fausto Coppi, Bartali, Eddy Merckx, além é claro, dos nossos grandes Ciclistas do Passado, boa parte deles tendo usado aqueles uniformes de lã, bordados pela Biene, a única Marca de Roupas de Ciclismo existente que fez esse tipo de roupa. A idéia de bordar a Camisa para a Renata surgiu quando vi o vídeo feito por ela junto com o Paulo de Tarso quando foram para a L'Eroica lá na Toscana, Itália, onde começou toda essa onda Vintage do Ciclismo, celebrando o saudosismo de grandes lendas do pedal que não tinham todo o conforto das Jerseys de Ciclismo com Nanotecnologia, nem forros com camadas de Espuma e Gel. No início do século XX, caros amigos, o negócio era bicicleta pesada de ferro, forro sem espuma e camisa de lã bordada, em estradas de terra Europa a dentro, porque a pavimentação asfáltica por ali começou de verdade nos anos 1960. Assista também o vídeo logo abaixo. Para tanto, a Biene foi atrás de recuperar uma máquina de bordado manual de mais de 100 anos, totalmente reformada e com gás para mais uns 100 anos à frente, época em quê as coisas eram realmente feitas para durar. Como já antevíamos a retomada desse saudosismo, já estávamos à procura de mão-de-obra para tecer as malhas de lã, uma tarefa difícil, pois esse tipo de manufatura há pelo menos 25 anos deixou de ser economicamente produtiva e interessante diante das novidades tecnológicas e teares mais modernos nesses tempos de celeridade. Felizmente ainda encontramos uma pessoa que possui os tais teares para produzir uma pequena fornada, já em 2012. Essas malhas ainda tiveram de esperar a bordadeira, outro fóssil do setor que volta agora à vida. Não teve making off, mas posso garantir que tanto a Renata como o Paulo tiveram uma experiência ótima ao ver como eram feitas as Maglia Vintage, foi como mágica para eles que já conheciam o trabalho da Biene de tempos atrás.

Após a publicação do vídeo, recebemos diversas mensagens de Ciclistas saudosos e surpresos em saber que a Biene "ainda existe". São fãs da Biene que muitas vezes guardam antigas peças nossas porque lembram-se de épocas passadas onde o a paixão pelo Ciclismo era tão intensa que motivou pessoas como a própria Renata a dedicar sua vida às Bicicletas, assim como a Biene, que nasceu quando ninguém pensaria em fabricar roupas de Ciclismo no Brasil. Essa é a paixão que ainda move a Biene e faz com que tenhamos satisfação em fabricar produtos cada vez melhores, só para ver aquele brilho nos olhos de cada Ciclista que adquire nossos produtos, e isso não tem preço. Sem isso, a Biene seria apenas mais uma marca aí no mercado, sem alma nem personalidade própria.

31 visualizações